STF inicia julgamento de suspensões em decretos de armas de Jair Bolsonaro

 Escrito por , 

O plenário decide se mantém ou derruba a decisão da ministra Rosa Weber, que vetou trechos dos decretos que flexibilizam a compra de armamento

Legenda: Na decisão, a magistrada afirmou que a flexibilização do acesso às armas é incompatível com o sistema de controle e fiscalização de armas
Foto: Agência Brasil

A validade de quatro decretos editados pelo presidente Jair Bolsonaro que flexibilizaram a compra de armas no País começou a ser julgada, nesta sexta-feira (16), pelo Supremo Tribunal Federal (STF)

A ministra Rosa Weber suspendeu, em decisão individual, trechos dos decretos na segunda-feira (12) e, agora, o plenário julga se mantém ou derruba a decisão da magistrada. Parte das determinações federais entraram em vigor na terça-feira (13).

O parecer de Weber atendeu a um pedido da oposição, integrado pelos partidos PSB, REDE, PSOL e PT, que questiona a constitucionalidade dos decretos expedidos pelo presidente. 

Na decisão, a magistrada afirmou que a flexibilização do acesso às armas é incompatível com o sistema de controle e fiscalização de armas instituído no Estado do Desarmamento. Para a ministra, as edições dos decretos "exorbitam os limites do poder regulamentar atribuído ao presidente da República pela Constituição Federal".

A relatora também ressaltou que os decretos fragilizam o Estatuto do Desarmamento, que inaugurou uma política de controle responsável de armas de fogo e munições no território nacional. 

VOTAÇÃO 

A sessão do plenário virtual fica aberta desta sexta-feira a 24 de abril. Os onze ministros do STF devem inserir os votos no sistema nesse período. Caso forme maioria, a decisão de Weber será revogada ou referendada.

Até a última atualização desta reportagem, às 9h22, dois ministros já haviam votado. As informações são do portal G1.

  • Rosa Weber: pela suspensão dos trechos;
  • Edson Fachin: pela suspensão dos trechos.

CONGRESSO

Em paralelo às ações no STF, os partidos de oposição também tentam derrubar no Congresso Nacional os decretos expedidos por Bolsonaro.

A oposição apresentou esses projetos, mas o Senado decidiu não votar o tema até que o Supremo decida sobre o assunto.

Decretos presidenciais regulamentam leis em vigor e não precisam de aprovação do Congresso. Entretanto, os parlamentares podem apresentar projetos de decreto legislativo de modo a suspender os atos do Executivo.

DECRETO DE ARMAS 

As alterações dos decretos foram anunciadas pelo governo no dia 12 de fevereiro deste ano, às vésperas do Carnaval, e não passaram pela análise do Congresso. As medidas foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União no mesmo dia. 

Entre vários pontos, os decretos retiram do Exército a fiscalização da aquisição e do registro de alguns armamentos, máquinas para recarga de munições e acessórios.

A suspensão atinge, por exemplo, o trecho que aumentava, de dois para seis, o limite de armas de fogo que o cidadão comum pode adquirir, desde que preencha os requisitos necessários para obtenção do Certificado de Registro de Arma de Fogo.

CONFIRA OS TRECHOS SUSPENSOS:

  • afastamento do controle exercido pelo Comando do Exército sobre projéteis para armas de até 12,7 mm, máquinas e prensas para recarga de munições e de diversos categorias de miras, como as telescópicas; 
  • autorização para a prática de tiro recreativo em entidades e clubes de tiro, independentemente de prévio registro dos praticantes; 
  • possibilidade de aquisição de até seis armas de fogo de uso permitido por civis e oito armas por agentes estatais com simples declaração de necessidade, com presunção de veracidade; 
  • comprovação, pelos CACs (caçadores, atiradores e colecionadores) da capacidade técnica para o manuseio de armas de fogo por laudo de instrutor de tiro desportivo; 
  • comprovação pelos CACs da aptidão psicológica para aquisição de arma mediante laudo fornecido por psicólogo, dispensado o credenciamento na Polícia Federal; 
  • dispensa de prévia autorização do Comando do Exército para que os CACs possam adquirir armas de fogo;
  • aumento do limite máximo de munições que podem ser adquiridas, anualmente, pelos CACs; 
  • possibilidade do Comando do Exército autorizar os CACs a adquirir munições em número superior aos limites pré-estabelecidos; 
  • aquisição de munições por entidades e escolas de tiro em quantidade ilimitada; 
  • prática de tiro desportivo por adolescentes a partir dos 14 nos de idade completos;
  •  validade do porte de armas para todo território nacional; 
  • porte de trânsito dos CACs para armas de fogo municiadas; e porte simultâneo de até duas armas de fogo por cidadãos. 
Share:

Nenhum comentário:

ASSISTÊNCIA SOCIAL DE ASSARE

ASSISTÊNCIA SOCIAL DE ASSARE
ASSISTÊNCIA ÀS GESTANTES

Prefeitura de Assaré antecipa décimo terceiro

Prefeitura de Assaré antecipa décimo terceiro
Prefeitura de Assaré antecipa décimo terceiro e injeta mais de R$ 2,7 milhões na economia local

Ouça a Rádio Quixabeira Ao vivo

Clique na Imagem e Ouça a Rádio Quixabeira

CANINANA

CANINANA
conferida no nosso novo CD!!

OS MELHORES PRODUTOS PARA SUA CONSTRUÇÃO

MOB TELECOM

MOB TELECOM
TURBINE SUA CONEXÃO

ARATCAEJO PAGUE MENOS BARBALHA

ARATCAEJO PAGUE MENOS BARBALHA
ARATCAEJO PAGUE MENOS BARBALHA

RC ÓTICA EM ASSARÉ E TARRAFAS

RC ÓTICA EM ASSARÉ E TARRAFAS
16 Anos com Responsabilida e Qualidade Cuidando dos Seus Olhos.

Redes Socias

Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Players da Rádio Quixabeira FM

Curta nossa Página do Facebook

TOTAL DE VISUALIZAÇÕES DO SITE

Ouça no Rádios Net