O que significa a troca de Pazuello por Queiroga no Ministério da Saúde

Foi iniciada a transição no comando da pasta entre Eduardo Pazuello e Marcelo Queiroga. A expectativa é de uma condução diferente do Ministério da Saúde na administração da pandemia

 Chegou ao fim a era Pazuello no Ministério da Saúde. O presidente Jair Bolsonaro escolheu o médico cardiologista Marcelo Queiroga para conduzir o Brasil no momento mais crítico da pandemia do coronavírus. O momento é delicado e é importante que o novo ministro saiba disso. 

A gestão do general Eduardo Pazuello à frente da pasta vinha se enfraquecendo principalmente na relação tumultuada com os governadores que cobravam agilidade na compra e a distribuição de vacinas contra a covid-19. 

Pazuello, assim como presidente Bolsonaro, preferiu rivalizar com os governadores ao invés de trabalhar por saídas possíveis e fundamentadas pela ciência. Os gestores estaduais vivem um dos momentos mais graves da história do País, com a iminência de um colapso no serviço público de saúde. Diante desse cenário, o ministro Pazuello seguia, até então, sem protagonismo quando o assunto é vacina e liderança na gestão da saúde.

É preciso que fique claro ao leitor que a troca de ministro não, necessariamente, ocorre pela postura de Pazuello durante esse tempo no primeiro escalão do governo.

Até porque o general acabou entregando o que foi pedido a ele pelo Palácio do Planalto, que foi, em boa parte do tempo, a resistência às medidas aprovadas pela ciência diante da pandemia e o estímulo ao uso de medicamentos não recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). 

Não é difícil lembrar que o início da vacinação no País foi estimulado muito mais por pressão política do governador de São Paulo, João Doria, do que por iniciativa do Ministério da Saúde. As críticas contra o método de vacinação foram fortalecidas, inclusive, pelo presidente da República. 

A troca

A mudança na gestão, considerada estratégica em qualquer governo, se dá mais pela preocupação de como o brasileiro, cansado da pandemia e desgastado pela falta de renda, deverá avaliar o governo nos próximos meses. 

Há um receio do Planalto que a avaliação do governo se deteriore ainda mais nos próximos meses. O Palácio do Planalto parece que começa finalmente a entender que é preciso mudar a estratégia. A mudança, claro, é com vistas às eleições do ano que vem. Já estamos em pré-campanha. 

O possível retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à disputa presidencial de 2022 certamente ligou o sinal de alerta em Brasília.

Mas para mudar a postura e dar um novo rumo ao governo, pensando em virar a página para as crises gratuitas estabelecidas pelo Planalto, é urgente, antes de mais nada, a mudança na condução da saúde. Uma mudança contundente que possa, inclusive, dar novos rumos a outros setores, como a economia principalmente. 

onte:Diario do Nordeste

Share:

Nenhum comentário:

Ouça a Rádio Quixabeira Ao vivo

Clique na Imagem e Ouça a Rádio Quixabeira

ASSISISTÊNCIA SOCIAL DE ASSARE

ASSISISTÊNCIA SOCIAL DE ASSARE
Entrega de um carro para o programa Criança Feliz

GOVERNO MUNICIPAL DE ASSARE

GOVERNO MUNICIPAL DE ASSARE
PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROGRAMA SINALIZE

IVAN FILTROS

IVAN FILTROS
9-9944.3348 / 9-9211.5887

MOB TELECOM

MOB TELECOM
TURBINE SUA CONEXÃO

JÉSSICA LEITE

JÉSSICA LEITE
ADVOCACIA & ASSESSORIA

mset digital

mset digital
(88) 99298-8747

BURGER KING

LOJA BARATEIRA

LOJA BARATEIRA
ASSARÉ E ANTONINA DO NORTE

CANINANA

CANINANA
conferida no nosso novo CD!!

OS MELHORES PRODUTOS PARA SUA CONSTRUÇÃO

RC ÓTICA EM ASSARÉ E TARRAFAS

RC ÓTICA EM ASSARÉ E TARRAFAS
16 Anos com Responsabilida e Qualidade Cuidando dos Seus Olhos.

Redes Socias

Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Players da Rádio Quixabeira FM

Curta nossa Página do Facebook

TOTAL DE VISUALIZAÇÕES DO SITE

Ouça no Rádios Net

Arquivo do blog