Assaré realiza Caminhada “Por uma Infância sem Racismo” ~ Quixabeira do Assaré

Assaré realiza Caminhada “Por uma Infância sem Racismo”


Esta caminhada marca o interesse da Secretaria Municipal de Educação assareense em extinguir o preconceito racial, a partir das escolas públicas. O projeto, que teve à frente a professora Galega Rodrigues, reuniu os seguintes parceiros, além da educação: Escola Estadual de Educação Profissional Nedina Onofre, Pastoral da Criança, Núcleo de Cidadania de Adolescente – NUCA, CRAS, CREAS, CAPS, NASF, Centro Social Maria de Jesus Oliveira e todas as demais secretarias da Gestão.
O evento foi levado a efeito por uma grande caminhada envolvendo alunos das escolas públicas, a vice – prefeita professora Maria É, a Secretária de Educação Eldevanha de Souza, a Coordenadora de Políticas Públicas e do Selo UNICEF Vandinha Almeida, o articulador do Selo UNICEF no Município professor Aguinaldo Cândido, a Secretária de Saúde Roberta Norões, o Secretário de Infraestrutura Dr. Anísio Mota, o Secretário de Cultura Vává Gois, o Secretário da Agricultura Iésio Cavalcante, a Procuradora do Município Jéssica Leite, funcionários e populares.
A coordenadora do projeto “Por uma Infância sem Racismo” professora Galega Rodrigues, ao se pronunciar sobre a campanha, disse:
Olá minha gente. Estamos na praça com mais uma campanha para estimular as pessoas a viverem bem. A campanha que estamos fazendo nesta manhã, através da Secretaria de Educação e todas as demais pastas da gestão que entram como parceiras, não está relacionada a alimentação do corpo, mas da alma. Para se viver bem na comunidade é necessário um corpo são e a alma mais ainda. E como se alimenta a alma? Ora, isso é muito fácil. Basta usar a razão. E o que é a razão? É a maneira de conhecer o Mundo através do respeito aos outros, ser amigo, ser solidário, ser generoso e identificar em cada pessoa que está ao seu redor, a figura de um irmão. A felicidade mora conosco, desde que se respeite e entenda o modo de vida do outro.
E uma das maiores agressões que se verifica na humanidade, no povo brasileiro é o chamado racismo. O racismo é não querer aceitar a cor da pele morena, principalmente, dos descendentes afros que estão incorporados à nossa nação desde o século XVI quando se adotou a escravidão negra no Brasil Colonial.
Houve a libertação dos escravos. Os negros ao invés de serem acolhidos, foram perseguidos e ainda hoje, o País tem uma grande dívida com esta raça. O negro já sofreu demais. Pagou com seu sangue o suor que derramou para fazer do Brasil um grande País. Ele esteve presente em tudo: na lavoura, na mineração, na exploração extrativista e nas guerras em defesa do solo pátrio. O negro só não esteve presente nas festas pomposas, nas alegrias dos brancos. Enquanto o branco se divertia, o negro amargava a prisão e solidão das senzalas.
Chegou o momento de dá um basta em tudo isso. É vergonhoso saber que no século 21 o negro ainda seja vítima da terra que ele nasceu e se criou. Se não existem mais os castigos físicos, mas existem os castigos psicológicos pela segregação. Mesmo sabendo que hoje somos um País miscigenado, a maioria de nossa gente ainda coloca a cor como sentença infernal.
Então, minha gente, vamos refletir pela razão. Respondam com sinceridade: que tipo de mal ou ofensa faz uma pessoa por ser afrodescendente ou ter o sangue indígena ou qualquer outra cor? O que justifica alguém ser humilhado por conta da cor?
O que identifica uma pessoa é o caráter. O seu estilo de viver com dignidade, cumprindo com as obrigações para gozar de direitos. A cor não quer dizer nada. O preconceito de cor faz parte de uma infeliz cultura do povo brasileiro. Transforme o ódio do preconceito em fazer o bem às crianças. Vivemos em uma sociedade cheia de males que atingem diretamente ao jovem. Somos responsáveis pela construção do futuro. Então vamos preparar as crianças de hoje, para que tenhamos um Brasil solidário, de progresso e paz”.
Na Praça do Mercado, ponto culminante da programação do projeto Assaré “Por uma Infância sem Racismo” e Por um Futuro Sem Preconceitos, com as seguintes apresentações:
-Dança Roda Africana com os alunos da Escola Maria Isabel, coordenado pelo professor Tiago Teles.
-Contação de História: “A Galinha Preta” contada pela diretora do CEI João Vicente- Professora Jeane Cezário e a professora da Creche José Daniel- Cristiane Plácido
-Peça Teatral: “Menina Bonita do Laço de Fita” com os alunos da Escola Maria Isabel e coordenado pela professora Valdelice Rogério.
-Grupo de Capoeira: “Ananias na Ginga do Saber” apresentado pelos alunos e da Esc. Ananias de Melo e coordenado pelo Mestre Mauricio Moreira.
 – Declamação da poesia “Nêgo não Nego”, pelo aluno Renato do NUCA.
O evento foi concluído com a fala da Coordenadora das Políticas Sociais do Município, ativista Vandinha Almeida.














Share:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RC CAFETERIA

RC CAFETERIA

RC FLORES

RC FLORES

RC ÓTICA

RC ÓTICA

Caninana - Então Leva Eu (Clipe Oficial)

Redes Socias

Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Players da Rádio Quixabeira FM

Escreva-se no nosso Site

Curta nossa Página do Facebook

As Mais Lidas do Site

TOTAL DE VISUALIZAÇÕES DO SITE

Ouça no Rádios Net