Trabalhador informal Profissional autônomo ganha 24% a menos que a média do país



Trabalhadores que atuam por conta própria ganham 24,4% a menos que a média do país, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Profissionais autônomos receberam, em média, 1.610 reais no segundo trimestre deste ano, enquanto a média salarial no Brasil foi de 2.128 reais no mesmo período.

Além do achatamento salarial, o número de brasileiros sem carteira assinada no segundo trimestre também tem aumentado de forma contínua nos últimos seis anos — a alta foi de 13,4% do segundo trimestre de 2012 na comparação com o mesmo período de 2018.

Coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, explica que, em quatro anos, 4 milhões de postos com carteira assinada foram perdidos no Brasil, o que justifica o aumento linear de trabalho por conta própria. “A informalidade é retrato de um reajuste da economia do país”, diz.

Neste cenário de desarranjo, há profissionais autônomos prestadores de serviços e também os informais que não têm empresa aberta, mas fazem “bicos” para gerar renda.

Dados exclusivos divulgados a VEJA apontam que há hoje 1,4 milhão de ambulantes trabalhando no país, a maioria deles no setor de comércio e alimentação.

Segundo o IBGE, 80% desses profissionais por conta própria — que incluem os ambulantes — não têm CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) e a maioria sequer contribui com a Previdência.

“A informalidade é ruim pela falta de proteção social e financeira. O profissional tem de quebrar pedras a cada dia, e se fica sem trabalho, não gera renda e não pode investir. Freia a economia e desestabiliza ainda mais o país”, afirma Azeredo.

Para se ter uma ideia, a quantidade de brasileiros que atuam na informalidade representa quase um quarto de todos os trabalhadores do país, segundo o IBGE. No segundo trimestre de 2018, 23 milhões profissionais atuavam nessas condições, de um total de 91 milhões trabalhadores.

Os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, principais centros econômicos do país, por sua vez, registraram o menor nível de carteira assinada do país, com 9,9 milhões e 2,8 milhões de trabalhadores por conta própria, respectivamente.

André Roncaglia, economista da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), reforça que a quantidade de profissionais informais no país não demonstra o potencial de empreendedorismo da economia. Pelo contrário, destaca o quanto o país tem dificuldade para absorver sua mão de obra.

“Com um volume tão grande de informais no mercado, a desigualdade social e o desequilíbrio de renda tendem a aumentar, reduzindo a produtividade do país. Em um cenário de vacas magras, as empresas cortam custos, e a folha de pagamento é sempre uma das mais afetadas”, analisa Roncaglia, sócio-fundador da consultoria Stokos Economic Research.

Fonte: Veja


Share:

Nenhum comentário:

Ouça a Rádio Quixabeira Ao vivo

Clique na Imagem e Ouça a Rádio Quixabeira

GOVERNO MUNICIPAL DE ASSARE ASSINA CONVENIO COM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

GOVERNO MUNICIPAL DE ASSARE ASSINA CONVENIO COM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
Prefeito Libório assina convênio de quase 5 milhões de reais com a caixa Econônmica Federal para asfaltar diversas ruas de Assaré.

ASSISISTÊNCIA SOCIAL DE ASSARE

ASSISISTÊNCIA SOCIAL DE ASSARE
Valorização da primeira infância

JÉSSICA LEITE

JÉSSICA LEITE
ADVOCACIA & ASSESSORIA

LOJA BARATEIRA

LOJA BARATEIRA
ASSARÉ E ANTONINA DO NORTE

CANINANA

CANINANA
conferida no nosso novo CD!!

OS MELHORES PRODUTOS PARA SUA CONSTRUÇÃO

MOB TELECOM

MOB TELECOM
TURBINE SUA CONEXÃO

RC ÓTICA EM ASSARÉ E TARRAFAS

RC ÓTICA EM ASSARÉ E TARRAFAS
16 Anos com Responsabilida e Qualidade Cuidando dos Seus Olhos.

Redes Socias

Twitter Google Plus Email Twitter Facebook Instagram email Email

Players da Rádio Quixabeira FM

Curta nossa Página do Facebook

TOTAL DE VISUALIZAÇÕES DO SITE

Ouça no Rádios Net

Arquivo do blog